sexta-feira, 31 de março de 2017

Os rostos...




Os rostos...


Rugas em rostos,
perto, longe,
gostos, desgostos...


José Rodrigues Dias, 2017-03-31

quinta-feira, 30 de março de 2017

quarta-feira, 29 de março de 2017

Cores e tons...



Cores e tons...


Incolor a água...
Lindas 
as cores e os tons...


José Rodrigues Dias, 2017-03-29




terça-feira, 28 de março de 2017

segunda-feira, 27 de março de 2017

domingo, 26 de março de 2017

Pescar




Pescar


Vamos, vamos todos para o mar,
a malta toda, toda a ninhada, a passarada, 
para aprender juntos a caminhar...


José Rodrigues Dias, 2017-03-23

sábado, 25 de março de 2017

Radiografia




Radiografia


Uma teia no tronco se acolheu,
corroído o tronco pelo ser do tempo,
uma radiografia tudo recolheu...


José Rodrigues Dias, 2017-03-25

sexta-feira, 24 de março de 2017

Évora, o profano e o sagrado


Évora, Catedral e Palácio do Vimioso


Évora, o profano e o sagrado


Uma rua e um altar,
o profano e o sagrado
em um mesmo olhar...


José Rodrigues Dias, 2017-03-21

quinta-feira, 23 de março de 2017

Luz e trevas




Luz e trevas


Caminha, tu, ser de bem, vai andando
mesmo contra a escuridão, pelas trevas,
uma claridade pelas águas vai ficando...


José Rodrigues Dias, 2017-03-23

quarta-feira, 22 de março de 2017

Ninhada de patinhos




Ninhada de patinhos


Sem palavras 
agora minhas, enternecido,
de hoje a foto...

O meu leitor
quer deixar em comentário
palavras suas?


José Rodrigues Dias, 2017-03-22

terça-feira, 21 de março de 2017

Figueiras improváveis




Figueiras improváveis


Torre de Moncorvo, de alicerces...
Antiga, uma figueira nascida sobranceira
na torre da igreja, entre as pedras...

Hoje, Primavera, Évora, minha outra terra...
Jovem, já rebentada, esta figueira que me surge saída
de um tronco doutra árvore onde já medra...

Que bico as semeou
(ainda me espanto de tão estranho o chão!),
que mão as plantou?!...

No meu chão,
as minhas
foi minha mão...

Um chão,
a Vida,
um sopro!


José Rodrigues Dias, 2017-03-20

Sobreiros




Sobreiros


Hoje, Dia da Árvore...
O sobreiro, árvore nacional...
Publicado no livro Traçados Sobre Nós (2011),
gravado no Youtube (2016)...


José Rodrigues Dias, 2017-03-21

segunda-feira, 20 de março de 2017

Luz de Primavera




Luz de Primavera


A luz de Primavera tudo aquece:
mesmo subaquática, sob a pele,
a vida liberta-se, cresce, floresce... 


José Rodrigues Dias, 2017-03-20

domingo, 19 de março de 2017

Dia de sol




Dia de sol


Dia de sol, pai profano,
cuidando da flor,
mãe de fruto todo o ano...


José Rodrigues Dias, 2017-03-19

sábado, 18 de março de 2017

Flores de mães daninhas...





Flores de mães daninhas...


Ainda que pequeninas e aqui tão rasteirinhas,
somos, passe a imodéstia, estas lindas flores
mesmo que a nossas mães chamem daninhas...


José Rodrigues Dias, 2017-03-18

sexta-feira, 17 de março de 2017

Flores de pessegueiro




Flores de pessegueiro


Entre as nuvens do dia
abre caminho às flores de pessegueiro
a luz que do Sol irradia...


José Rodrigues Dias, 2017-03-17

quinta-feira, 16 de março de 2017

Janelas


Peça em madeira de Carlos Figueira, Évora.
Projecto "Janelas do Alentejo".


Janelas


Abrem-se nas brancas paredes,
finos cortes, cores, recortes mais de ocres...
Escondem-se olhares, segredos...


José Rodrigues Dias, 2017-02-15

quarta-feira, 15 de março de 2017

Veste a roupa nova, veste-te...




Veste a roupa nova, veste-te...


Anda, os ninhos esperam-te,
são horas, já vem além a Primavera,
veste a roupa nova, veste-te...

A luz, o fundo azul, do dia coada
em leves cortinas de nuvens diáfanas
acorda a árvore, de pé, ainda nua...


José Rodrigues Dias, 2017-03-10

terça-feira, 14 de março de 2017

Sinais


Catedral de Évora


Sinais


Marcas nas escadas e paredes, os símbolos,
sinais de mestres construtores do templo,
crença no ser supremo sem profanos ídolos...


José Rodrigues Dias, 2017-02-25

segunda-feira, 13 de março de 2017

O tempo lento e o mar




O tempo lento e o mar


Coisas que lento o tempo lento cria,
artífice-mor o mar da vida
em relações violentas e de harmonia...

Moldados os corpos 
livres sem moldes,
lisas peles e buracos...


José Rodrigues Dias, 2017-03-13

domingo, 12 de março de 2017

Vento, ventos...




Vento, ventos...


Agita a tranquilidade da água
o vento, com os ventos
se agita a serenidade da vida...


José Rodrigues Dias, 2017-03-12

sábado, 11 de março de 2017

Semeio




Semeio


Orlas de ervas
em estradas e caminhos,
orlas de flores...

O sol veio quente,
deixei o boné do frio,
não chove, semeio...

Ninguém sabe deste tempo,
não chove, a terra quase seca, semeio,
quem sabe de fomes e sede...


José Rodrigues Dias, 2017-03-09

sexta-feira, 10 de março de 2017

Cinza e ocre


Évora

Cinza e ocre


No céu paira agora uma sombra de cinza,
mágoas abafadas, talvez, pela cidade não choradas,
mas na fachada das casas o vigor do ocre...

Talvez no  ocre
em estado permanente
o sorriso da face...


José Rodrigues Dias, 2017-03-10

quinta-feira, 9 de março de 2017

Rabiscos




Rabiscos


Na rua estreita, parada, limpa,
bordadas as paredes com janelas amarelas,
uns traços rabiscados de preto...


José Rodrigues Dias, 2017-03-09

quarta-feira, 8 de março de 2017

Puras as flores como crianças...




Puras as flores como crianças...


De terra e luz se entretecem
puras as flores como crianças,
sujas as mãos as enegrecem...


José Rodrigues Dias, 2017-03-07

terça-feira, 7 de março de 2017

A harmonia...




A harmonia...


De presidentes,
governadores, finos directores
e doutas gentes,

de lobos (de Plauto), 
de mentiras, de certos cães,  
deles falei, me cansei...

Observo então o simples,
os chilreios, os brotinhos nos ramos
e registo mais os simples...

E encanto-me naquela magia
do arco-íris abrindo-se nas sete cores,
na síntese a luz da harmonia...


José Rodrigues Dias, 2017-03-05

segunda-feira, 6 de março de 2017

Renascer...





Renascer...


A morrer,
aberto o túnel da morte,
e reviver...

E bendizer
a medicina, os homens, tudo, até a sorte
e agradecer...

Sim, o reviver
e, de todos e de tudo bem-dizendo,
sim, agradecer...


José Rodrigues Dias, 2017-03-05

domingo, 5 de março de 2017

A luz está acesa...



Catedral, Évora.


A luz está acesa...


Se à porta bater
deixa entrar o poema sem formalidades,
a luz está acesa...


José Rodrigues Dias, 2017-03-05

sábado, 4 de março de 2017

Brotinhos




Brotinhos


De novo andorinhas
alegres a poisar
nos fios às tardinhas...

Afloram nas árvores
cheios de viço
uns novos brotinhos...

Que seres brutinhos
os que dizem
que nada se renova...


José Rodrigues Dias, 2017-03-04

sexta-feira, 3 de março de 2017

Os jangadeiros


Os jangadeiros

Troncos rijos encaixados,
jangada
de artesão lançada sobre o mar
em movimentos de braços sábios
a favor e contra os ventos,

de engenho a sua vela triangular
em andamentos mesmo contra os ventos
com suas concavidades
e convexidades
como asa de aeronave
e uma velha melodia sussurrada
em seus lábios
salgados…

Jangada
bela
navegando
sobre madeiros,
redes levando na caminhada
para as trazer cheias na chegada,
braços tostados orientando a vela
do sol e sal esbranquiçada,

nós, bolinando,
os jangadeiros
da vida com traços vagos nela,
rasgos fundos dela…

2014-01-03


José Rodrigues Dias, Poemas daquém e dalém-mar, 178 pp, Ed. Forinfor, 2016.

quinta-feira, 2 de março de 2017

Flor só...




Flor só...


Nasci flor
mas sou aqui flor só
sem amor...

Sem amor
morrerei aqui flor só
sendo flor?...


José Rodrigues Dias, 2017-03-02

quarta-feira, 1 de março de 2017

Oásis de flores




Oásis de flores


Quase à beira-mar
emergindo do areal entre ventos e sal 
um oásis de flores...


José Rodrigues Dias, 2017-03-01