quinta-feira, 11 de maio de 2017

A chuva...




A chuva...


A chuva, mansamente,
desperta a manhã, pássaros em silêncio,
acorda-me lentamente...

A semente ainda adormecida
sente o tempo, chegado o seu momento,
sob a pele da terra amolecida...

A espiga já grada
debruça-se sobre o chão
dos grãos pesada...

Abre o seu regaço,
serão rosas, senhor?; não!, é pão nascido
de um seu abraço...


José Rodrigues Dias, 2017-05-11

2 comentários:

  1. Belíssimo poema, "A chuva..." querido amigo e poeta José Rodrigues Dias

    "A chuva, mansamente,
    desperta a manhã, pássaros em silêncio,
    acorda-me lentamente..."

    Abraço...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado, Amiga Alice Capela. Abraço.

      Eliminar