sábado, 1 de julho de 2017

Coisas do silêncio




Coisas do silêncio


Entra em mim,
entranha-se, que coisa estranha
que não se vai...

Fora,
a palavra do tempo incendiada,
fogo...

Sigo, atento,
da fita de rega o cair, como colírio,
de cada gota...

Momentos
duros, martelados,
de silêncios...

Nenhuma granada,
por aqui, por ora, por ora por aqui,
se fez mortandade...


José Rodrigues Dias, 2017-07-01

Sem comentários:

Enviar um comentário