quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Eu e o poema




Eu e o poema


Cedo na manhã o cinzento,
a chuva então caída logo levou
de ontem o fresco cimento...

Digo-te: precisas de deixar 
o vinho novo
um certo tempo a encorpar...

E a ti, poema escrito,
ainda fumegando, barbas por limpar,
logo te ponho a andar... 

Que coisa estranha 
essa de um espeto de pau
em casa de ferreiro... 


José Rodrigues Dias, 2018-01-09

Sem comentários:

Enviar um comentário