quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Olhos tristes de fome




Olhos tristes de fome


Gosto do Sol ao entardecer
quando se esconde entre dois sobreiros
como uma bola de fogo quase tranquila…
Gosto de o olhar com um olhar quase místico,
quase como os antigos a venerar o mesmo Sol
e o Sol lhes agradecia com o segredo sagrado
das sementeiras e das colheitas cheias do ano
nos dias pequenos e grandes do tempo…

Porém, hoje, neste tempo,
quando neste entardecer pergunto
ao Sol o segredo das colheitas cheias,
e pergunto com todo o respeito,
o olhar quase místico,
por sinais
o Sol pergunta-me
se eu semeei…

E eu, embaraçado,
sem saber como lhe responder,
meu rosto corado,

sem nada dizer
baixo ainda mais os olhos
tristes de fome…

2012-01-08


José Rodrigues Dias, Chão, da Terra ao Pão, 152 pp, ed. Forinfor, 2017.

 * * *

José Rodrigues Dias, 2018-01-25

Sem comentários:

Enviar um comentário