quarta-feira, 7 de março de 2018

A guerra, a paz e o pescador




A guerra, a paz e o pescador


Na linha do tempo,
acima de tudo, marcos
de guerras e ventos...

Nada e ninguém acomoda no tempo os ventos
de mudança com muitas quedas e muito chão, sim, no chão,
mas trazendo logo um dia novo que se levanta...

Vindo do passado
o vento com o presente
arrasta um futuro...

E agora que na guerra penso, 
a paz, os lampejos de paz, quem dela se lembra
que não em dias de privação?!... 

Agora me lembro
da aragem leve junto ao mar ao cair da tarde, e do pescador,
em verão quente...


José Rodrigues Dias, 2018-03-06

Sem comentários:

Enviar um comentário