terça-feira, 13 de março de 2018

Sobre alguns (muitos) poemas




Sobre alguns (muitos) poemas


Tão tortos que alguns nascem...
Poemas sem tempo, sem força, sem viço...
Só por acaso crescem e vivem...

Volta e mais volta,
estica, encolhe, mexe, remexe,
e nada, só revolta...

Como balde de água suja
que se lava, lava, lavando, lavando,
querendo que fique limpa...


José Rodrigues Dias, 2018-03-13

Sem comentários:

Enviar um comentário